Produtos de Baixa Tensão

PLUGUES E TOMADAS PARA USO DOMÉSTICO

Com a criação do Padrão Brasileiro de Plugues e Tomadas, o nosso mercado passa a comercializar apenas dois modelos de plugues e tomadas. Os plugues possuem dois ou três pinos redondos e as tomadas três orifícios de 4 mm ou 4,8 mm. Os Plugues e Tomadas são regulamentados pela Portaria Nr. 85 de 03 de abril de 2006.

ADAPTADORES DE PLUGUES E TOMADAS

A Portaria Inmetro Nr. 324 de 21 de agosto de 2007 estabeleceu que a partir de 01 de janeiro de 2009 os fabricantes e importadores não poderiam mais fornecer adaptadores que não estivessem certificados. 

FIOS, CABOS E CORDÕES FLEXÍVEIS ELÉTRICOS
 
 A Portaria Inmetro Nr. 640 de 30 de novembro de 2012 estabeleceu os critérios para a Avaliação da Conformidade das seguintes categorias de cabos elétricos: 
  1.  cabos de potência com isolação sólida extrudada de cloreto de polivinila (PVC) ou polietileno (PE) para tensão de 1 kV, inclusive 
  2. Cabos e cordões flexíveis com isolação extrudada de polietileno clorossulfonado (CSP) para tensões até 500 V
  3. Cabos e cordões flexíveis isolados com policloreto de vinila (PVC), para aplicações especiais em cordões conectores de aparelhos eletrodomésticos, em tensões até 500 V
  4. Cabos flexíveis isolados com borracha etilenopropileno (EPR) para aplicações especiais em cordões conectores de aparelhos eletrodomésticos, em tensões até 500 V
  5. Cabos de potência e condutores isolados sem cobertura, com isolação extrudada e com baixa emissão de fumaça para tensões até 1 kV
  6. Cordões torcidos flexíveis para tensões até 300 V
  7. Condutores isolados com policloreto de vinila (PVC) para tensões nominais até 450/750 V (condutores isolados - sem cobertura para instalações fixas)
  8. Cabos isolados com policloreto de vinila (PVC) para tensões nominais até 450 /      750 V (cabos flexíveis)
  9. Cabos flexíveis isolados com borracha de silicone unipolares sem cobertura e multipolares com cobertura, resistentes ao calor, para tensões nominais até 450/750 V
  10. Cabos isolados com compostos elastoméricos termofixos, para tensões nominais até 450/750 V (cabos isolados com borracha de silicone com trança, resistentes ao calor)
  11. Cabos isolados com compostos elastoméricos termofixos, para tensões nominais até 450/750 V (cordões e cabos flexíveis)    

.

INTERRUPTORES

A Portaria Inmetro Nr. 234 de 30 de julho de 2008 estabeleceu os critérios para a Avaliação da Conformidade de interruptores para instalações elétricas fixas domésticas e análogoas, visando maior proteção do cidadão e das instalações elétricas.  
 

REATORES ELETRÔNICOS

A Portaria Inmetro Nr. 267 de 21 de setembro de 2009 estabeleceu os critérios para a Avaliação da Conformidade de Reatores Eletrônicos alimentados em corrente alternada para Lâmpadas Fluorescentes Tubulares Retilíneas, Circulares e Compactas.

LÂMPADAS LED

A Portaria Inmetro Nr. 144 de 13 de março de 2015 estabeleceu os critérios para a Avaliação da Conformidade de lâmpadas LED com dispositivo integrado à base ou corpo constituindo uma peça única, não destacável, sendo destinadas para operação em rede de distribuição de corrente alternada de 60 Hz, para tensões nominais de 127 V e/ou 220 V, ou em corrente contínua em qualquer faixa de tensão.

Excluindo-se as Lâmpadas LED com dispositivo integrado à base conforme abaixo:

  • lâmpadas com LED coloridos, com lentes coloridas, que emitem luz colorida;

  • RGB, que possuem invólucro coloridos e decorativas, e emitem luz colorida; 

  • lâmpadas de LED com dispositivo de controle incorporado que produzam intencionalmente luz colorida; - OLED (Organic Light Emitting Diode).

DISJUNTORES

A Portaria Inmetro Nr. 348 de 13 de setembro de 2007 manteve, no âmbito do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade – SBAC, a certificação compulsória dos disjuntores utilizados nos quadros de entrada, de medição e de distribuição, residenciais, comumente conhecidos como minidisjuntores, ou execuções mono, bi, tri e tetrapolares para tensões até 415V (Volts), correntes nominais até 63A (Ampère) e correntes de curtocircuito até 10kA (Quiloampère).

INSTAlAÇÕES ELÉTRICAS 

DE BAIXA TENSÃO

 

A Portaria Inmetro Nr. 51 de 28 de janeiro de 2014 instituiu, no âmbito do SBAC a certificação voluntária para Instalações Elétricas de Baixa Tensão, a qual deverá ser realizada por Organismo de Certificação de Produto – OCP, acreditado pelo Inmetro e

estabelecido no país, consoante o estabelecido nos seguintes requisitos:

  • Aplicam às instalações elétricas de edificações novas e a reformas em edificações existentes, qualquer que seja seu uso (residencial, comercial, público, industrial, de serviços, agropecuário, hortigranjeiro, etc.), incluindo as pré-fabricadas. Aplica-se também às instalações elétricas em áreas externas às edificações, cobertas ou descobertas; em locais de acampamento (campings), marinas e instalações análogas e instalações de canteiros de obra, feiras, exposições, parques de diversões e outras instalações temporárias.

  • Também se aplicam aos circuitos elétricos alimentados sob tensão nominal igual ou inferior a 1 000 V em corrente alternada, com frequências inferiores a 400 Hz, ou a 1500 V em corrente contínua, a todas as fiações e todas as linhas elétricas que não sejam cobertas pelas normas relativas aos equipamentos de utilização e às linhas elétricas fixas de sinal, com exceção dos circuitos internos dos equipamentos.

MODELOS DE CERTIFICAÇÃO:

  • Lote: 1b

  • Ensaios de Tipo com Avaliação do Sistema de Qualidade:  5

SOMENTE PARA O MODELO 5:

  • Validade da certificação: 2 anos;

  • Frequência das manutenções: 6 meses.

NOTA:

Para a Certificação de Instalações de Baixa Tensão,  a validade do certificado é de 5 anos, não sendo aplicável a manutenção. Caso haja alterações na instalação, o solicitante deverá informar ao Organismo de Certificação.